21 julho 2011

NCL projecta refúgio de luxo

O projecto "Braekaway da NCL prevê um "refúgio" de luxo nos decks 15 e 16 dos seus novos navios do projecto Braekaway. Consiste em 42 suites intituladas "The Haven" onde o grau de exclusividade da zona é alargada a mais serviços, nomeadamente um restaurante privado, um cocktail bar e um balcão de atendimento. Terá ainda um amplo pátio com a altura de 2 decks com piscina, 2 jacuzzis, duas salas de massagens, sauna e um terraço privado. Deste esta zona haverá uma passagem exclusiva que datá acesso ao SPA e centro de fitness do navio.
As suites dentro do "The Haven" poderão ir até à configuração de apartamento com sala de estar e sala de jantar, quartos com camas king-size e vidros amplos para acesso à paisagem exterior. Tem varanda privada e uma casa de banho ampla com banheira igualmente king-size entre outras comodidades. Poderão albergar um máximo de 8 pessoas.
Nas outras acomodações no The Haven existirão:
-21 suites com dois quartos e duas casas de banho.
-17 penthouses Courtyard que apresentam uma cama king-size, sala de estar e sala de jantar e um sofá-cama individual.
Exterior ao The Haven, o projecto Breakaway oferecerá ainda acomodações de luxo sem as áreas comuns privadas com a seguinte localização e configuração:
- 18 Penthouses na popa
- 16 Suites SPA também na popa semelhantes às introduzidas no Norwegian Epic. Estas suites apresentam uma decoração com temática de SPA, cama king-size, sala de jantar e uma banheira de hidro-massagem . As casas de banho possuirão um chuveiro tipo SPA e outro chuveiro tipo queda de água com jactos múltiplos dirigidos ao corpo, entre outros luxos.
Este novo conceito será introduzido nos navios da classe Jewel (Jewel, Jade, Pearl e Gem). No Norwegian EPIC, navio recentemente, os serviços a cargo dos mordomos (24 horas) serão ampliados.
A Norwegian expande assim a oferta e os conteúdos de suites e penthouses a bordo dos seus navios. 
Espreite o projecto aqui (Link).

2 comentários:

  1. Mais uma série de navios com uma primeira classe a fazer pirraça aos restantes passageiros, bem o melhor é chamar-lhes hóspedes pagantes... Assim se vai a democracia nos cruzeiros...

    ResponderEliminar
  2. Há comentários certeiros. Tudo começa assim como as taxas moderadoras (eram para disciplinar mas sabíamos que ia chegar à categoria de fonte de receita). Depois o valor vai aumentando, promovendo gente de primeira e de segunda. Primeiro normalizado, depois a sofisticação para ganhar mais algum e atrair o poder de compra. Depois haverá a oportunidade de conceder um segmento low cost, a exemplo da terceira classe de antigamente nos navios de passageiros com a emigração. De repente e pela brecha apresentada reaparece a EasyCruise e fica o caldo entornado, nada jamais será o mesmo e haverá banalidade como acontece no transporte aéreo. Os cruzeiros têm o seu lugar, as companhias que não exagerem, podem ganhar mais agora mas ser um tiro no pé.

    ResponderEliminar