09 agosto 2011

30 anos de comunicações por satélite no mar


A revista Cruzeiros, na sua actual edição em banca, aborda as questões sobre a internet e dos telemóveis a bordo do navios de cruzeiro.
Indissociável desta temática temos uma das pioneiras empresas que nos permite nos dias de hoje ter internet a bordo e falar com os familiares informando de que estamos bem e que está a ser uma maravilha :o). Celebra 30 anos de existência.
Desde o início de 1990, a MTN revolucionou as comunicações no mar através de soluções inovadoras, agregando produtos e serviços à indústria marítima.
A necessidade sempre houve, a tecnologia é que não existia. A indústria dos cruzeiros, devido ao isolamento no alto mar sob o ponto de vista de comunicações, e apesar de um enorme horizonte,  foi pressionada a resolver o facto de haver um número crescente de passageiros e tripulantes a bordo que exigiam ter "em casa" todas as "comodidades" que os levassem a estar ligados aos entes queridos e amigos durante a sua estada no mar.
Os tempos são outros, a tecnologia existe para todas as frentes de comunicação possíveis a bordo, iguais às de terra, o desafio é muito mais o preço porque os meios são mais caros para colocar o sinal no mar. A MTN continua a ouvir as necessidades dos seus parceiros de cruzeiros e a garantir uma experiência sintomaticamente mais segura ao passageiro, mais fácil e mais agradável. O passageiro e seus familiares precisam de falar, a voz acalma sentimentos, o passageiro necessita de comunicar pela internet pois mata a curiosidade, com aquela foto de momentos agradáveis.
Hoje, a MTN detém cerca de 80%  por cento do mercado de navios de cruzeiros do mundo, é sem dúvida líder.
Interessante momento: navegação marítima e aérea com a comunicação por satélite presente. Foto: Luís Filipe Jardim. Navio: Ms Amsterdam no Alaska (Ketchikan) com floatplane em segundo plano.
A MTN trouxe ao mercado a primeira transmissão ao vivo no mar, o primeiro sistema VSAT estabilizada para uso comercial e o primeiro ciber-café a bordo de um navio de cruzeiro. A MTN disponibilizou a primeira a parceria com redes de TV cabo colocar a bordo notícias em tempo real e a cobertura de eventos importantes. Em fevereiro de 2010, disponibilizou no mercado a primeira rede de televisão multicanal global (pacote de canais vista em qualquer ponto da terra) para navios de cruzeiro.
Não parará por aqui, tal como alguns sortudos fazem o "The World" a sua casa não estará para longe a ideia de haver empresas sediadas no mar, por razões legais. Quem sabe se será a revista Cruzeiros?! Tecnicamente é possível produzir a revista no mar e enviá-la para a gráfica em terra, ou produzimos já a bordo porque os clientes lá estão? Sr. Director ... é já! Observemos as soluções:

2 comentários:

  1. Gosto da ideia, até digo mais, vou enviar um curriculum para o senhor director. O valor do metro quadrado a bordo deve ser mais barato que o centro de Lisboa, não importa perder o susbsídio de alimentação porque presumo incluí refeições e espectáculos. IC19 não existe e do dinheiro que fica paga-se muito bem a lavagem da roupa. Não tem taxas moderadoras na enfermaria, deve ter creche e o capitão deve ser bem melhor que esta classe política que temos a mandar.
    Quando começo?

    ResponderEliminar
  2. O senhor Director, vai ter que consultar a STX, a Fincantieri e a Meyer Werft para ver qual a melhor proposta de preço e tempo de construção para um navio centro de empresas de raiz, a procura vai ser superior à oferta... de preferência com um tobogan tipo Disney Dream para ligar a produção à administração.

    ResponderEliminar