17 agosto 2011

Uma nova tendência nos cruzeiros?

Na passada semana tomarmos conhecimento da construção de um novo porto nas Caraíbas na chamada Costa da Banana, em Trujillo nas Honduras. Um porto com 50.000 metros quadrados com Duty-Free, bares temáticos ao longo de uma calçada, mercado com artesãos, manufactura e venda de jóias, desportos náuticos e pesca desportiva. um trem que percorrerá a área em permanência e um conjunto de serviços apoio às excursões num ambiente à imagem da época do grande boom de exportação de banana. O porto poderá albergar até 2 grandes navios designados por "post-panamax", como são os casos do Oasis of the Seas e o Allure of the Seas, capazes de colocar em trânsito 5.000 passageiros cada um.
A empresa canadiana The Life Vision, encarregada da gestão do projecto, está já a receber consultas e propostas para os espaços comerciais. As áreas estarão acessíveis por via terrestre para além da marina que também equipará este novo porto/ zona de lazer. As instalações deverão abrir em fins de 2012.
São casos que dão que pensar em alguns portos que ultrapassam cegamente o bom senso das "seguranças portuárias" e que os tornam "sêcos e frios" na chegada dos cruzeiristas.
*
Desta feita, a Seatrade Insider revela-nos que a Carnival Corporation assinou um memorando de entendimento com um parceiro da República Dominicana (família Rannik), para um investimento conjunto num novo porto nas proximidades de Puerto de la Plata, com grande potêncial turístico devido aos locais históricos e belezas naturais.
É intenção da Carnival Corporation beneficiar as suas marcas Carnival Cruise Lines, Princess Cruises e Holland America Line com direitos preferênciais no entanto estará aberto a todas as companhias de cruzeiro.
*
Grand Turk
Estes anúncios e informações vêm na sequência de investimentos em portos pelas companhias de cruzeiros que se observam desde 2006, nomeadamente a Carnival, com o "Pier & Playground" na ilha de Grand Turk (Turks and Caicos) e em 2009 com a Mahogany Bay em Roatan - Honduras. Em Fevereiro passado foi a vez do investimento da Royal Caribbean em Falmouth na Jamaica, uma "Vila Cruzeiro" desenhada para receber os maiores navios de cruzeiro do mundo.
Mahogany Bay
Falmouth - Jamaica
A necessidade de portos que permitam a acostagem de grandes navios, de forma segura, económica e explorada dentro dos padrões das companhias de cruzeiro, estão a levar as companhias a tomarem iniciativas nos portos de destino ou de novos destinos, com investimentos em novos portos construídos de raiz e na co-participação da gestão de outros já existentes. É necessário ponderar sobre o que isto significa, a industria dos cruzeiros vai "abarcar" portos? Investimento válido para navios maiores e receitas em terra?

Sem comentários:

Enviar um comentário