02 agosto 2011

Viragem à Europa Atlântica

Existe um ditador popular que diz: Se Maomé não vai à montanha, a montanha vem até ele. Longe de ser Maomé, o Portugal difuso e obtuso poderá finalmente rever pelos olhos dos portos, navios de cruzeiro e cruzeiristas a sua relação com o mar. Portugal observa como a "montanha" lhe vai chegando à porta, neste caso aos portos. Muito se tem falado sobre a necessidade de Portugal se virar claramente para o mar e obter a sua centralidade, ao contrário de se manter continental e periférico.
Se falta de confiança lhe faltava para acreditar na aposta do mar, uma ajuda vem do exterior, há que aproveitá-la.
As companhias de cruzeiro estão a denotar uma preferência para os portos atlânticos da Europa. A intenção é maximizar as oportunidades que esta zona geográfica oferece conjugado com "as mudanças de apetite" dos cruzeiristas que solicitam novos portos, mais interessantes e sobretudo menos congestionados. Não estará alheio o facto de começar a haver "seniors" nas viagens de cruzeiro, explico, não referentes à idade mas ao número de cruzeiros efectuados. Muitas vezes os rendimentos das pessoas levam-nas a estar confinadas a determinadas áreas geográficas apesar de fieis cruzeiristas. Vão efectuando cruzeiros até que começam a achar desinteressante repetir alguns. É aqui que entra a oportunidade da Costa Atlântica da Europa. Nos cruzeiros, esta zona geográfica assume-se como Cruise Atlantic Europe e é composta por oito portos em cinco países da frente Atlântica: Lisboa, Porto (Leixões), Coruña, Bilbao, Brest, St. Malo, Dover e Cork. Estes portos deparam-se com quase 800 navios de cruzeiro a aportá-losoriundos de mais de 50 companhias de cruzeiro com 90 itinerários de cruzeiros em 2011. Estes 800 navios visitam dois ou mais portos da "Cruise Atlantic Europe". Dos embarques efectuados em Dover, Lisboa e Porto (Leixões) continuam a ser destinos populares. De entre os que mais subiram estão La Coruña e Bilbao, reflexo das melhorias dos seus terminais de cruzeiros.

Helena Fernandes da CAE (Cruise Atlantic Europe) (Link) disse: "Temos visto um aumento constante do número e diversidade de companhias de cruzeiros escalando os nossos portos, desde os frequentes visitantes como a Holland America Line, P & O, Fred Olsen e AIDA até outras de de nicho como Lindblad e a Hapag Lloyd. Há muitas razões para este aumento, mas um factor chave é que os nossos portos são capazes de acomodar uma variedade de tamanhos de navio, desde as particularidades da Sea Cloud e Sea Dream íntima até ao Independence of the Seas da Royal Caribbean com 160.000 toneladas "Não é apenas a capacidade de atender a todos os tamanhos de navios que está atraindo as companhias, o interesse na região está presente somando atractivos, oferecemos muito mais.Helena Fernandes prossegue: "As distâncias mais curtas entre os nossos portos proporcionará ao cruzeiro uma oportunidade para ter mais tempo em terra e aceder aos 14 destinos UNESCO Património Mundial e 3 Capitais Europeias da Cultura. 
A oferta de excursões nos portos tem vindo a aumentar, desde visitas ao Mont St Michel, degustação de vinho do porto, de ostras e saber das suas particularidades ou até mesmo uma caminhada ao longo de Brittany. Estes tours e estas experiências cativam os cruzeiristas fazendo a procura aumentar e os nossos portos serem mais visitados.
Helena Fernandes confere ainda que num momento de constrangimentos aéreos, cancelamentos, nuvens de cinzas, terremotos e alertas terroristas são comuns ou marcam as viagens, a Europa Atlântica pode ser chamada a oferecer uma opção mais confiável para os consumidores. Os portos da região estão menos congestionados do que o Mediterrâneo e bem situados para ligações aéreas ou para  viajar pela Europa por ferroviária ou rodoviária, outra mais valia, oferecendo aos cruzeiristas a oportunidade de descobrir uma parte fascinante da Europa, numa única viagem.

Finalizando, Helena Fernandes da CAE acrescenta: "O nosso sucesso prova que a Europa Atlântica está se tornando mais do que apenas uma opção para os cruzeiros, as muitas vantagens que os nossos portos oferecem torna-los-á um "must-see" dos destinos. Não há realmente melhor momento para ver o outro lado da Europa Atlântica e nós encorajamos todo mundo a ter um outro olhar sobre os nossos destinos de cruzeiro."

A Europa Atlântica, um destino "real".

1 comentário:

  1. Os meus amigos não dormem, sei que é difícil manter o entusiasmo e bons temas para publicar todos os dias, apesar de serem profissionais. Criaram-me o vício de vos visitar. Parabéns.

    ResponderEliminar