07 setembro 2011

Porto Santo Line: Lobo Marinho

 C.O.
Um dos ex-libris do porto do Funchal é o ferry Lobo Marinho da Porto Santo Line (Link) que diariamente efectua viagens de ligação entre o Funchal e a cidade Vila Baleira no Porto Santo, pela manhã, e respectivo regresso ao Funchal ao fim da tarde. No verão, a sua frequência diária aumenta com a procura dos veraniantes ávidos pelos 9km de praia com areia medicinal e dourada. O Lobo Marinho é muito procurado durante todo o ano pelos turistas estrangeiros e continentais que vêm à Madeira e querem fazer um mini cruzeiro ao Porto Santo. O itinerário permite conhecer a costa sul da Madeira entre o Funchal e a Ponta de São Lourenço e a costa norte, destacando-se a baía do Funchal, o aeroporto com parte da sua pista sobre pilares, a costa norte da Madeira ao longe, as ilhas Desertas no lado oposto e finalmente o Porto Santo.
A construção de raiz de um navio ferry para a Madeira resulta em grande parte do convencimento da experiência adquirida nas ligações marítimas entre as duas ilhas. Numa primeira fase, a cargo do Governo Regional, com navios catamarans rápidos e vocacionados para o transporte de passageiros, nem sempre cómodos para os viajantes e sem o complemento de carga que ajuda a rentabilizar a exploração. Posteriormente, as ligações entre a Madeira e Porto Santo entraram na era do ferry. Apesar de levar mais tempo a navegar convenceu os passageiros pela facilidade de transporte do seu carro e pelas comodidades (Link) que fazem passar melhor o tempo numa viagem de duas horas e meia. O primeiro navio a efectivar a função ferry foi o Lady of Mann, fretado pela Porto Santo Line em 1995, à Steam Packet Company, da ilha de Man, quando a linha é concessionada pelo Governo Regional da Madeira a um armador privado.  Mas o primeiro navio de características ferry a ligar a Madeira ao Porto Santo foi o Lusitânia Expresso, que no entanto não fez embarques e desembarques de automóveis e carga rolante, dada a ausência de rampas "roll on roll off". Antes, em 1957, o cacilheiro Lisbonense,  fretado pela Empresa de Navegação Madeirense, operou também nesta linha e podia transportar automóveis, mas que eram desembarcados por grua. Em 1996, chega o primeiro Lobo Marinho que operou até 2003, ano da entrada ao serviço do novo Lobo Marinho.
Navio posicionado em rampa - vista de Estibordo, pronto a ser lançado à água.
Vista da popa e navio logo após lançamento - vista da proa
Navio a flutuar - vista de Bombordo, com comportas a encerrar. Vista da proa ainda com os apoios de deslize
 C.O.
Lobo Marinho e Nieuw Amsterdam cruzam-se na baía do Funchal num entardecer

Porquê Lobo Marinho?
Os lobos-marinhos ou "Monachus Monachus" são mamíferos pinípedes pertencentes à família Otariidae que se classificam no género Arctocephalus.
Este animal, originário do Mar Mediterrâneo, está hoje em vias de extinção, sendo que na Região Autónoma da Madeira está confinado a uma pequena colónia nas ilhas Desertas em franca recuperação. Este animal estimado pelos madeirenses "pôs-se a jeito" de ser adoptado como nome e como mascote pela sua simpática aparência, apesar de selvagem.
Outras referências existem na Madeira. A denominação do concelho de Câmara de Lobos está umblicalmente ligada à espécie “Lobo Marinho”. Aquando da descoberta da Ilha da Madeira, em 1419, e na sequência do reconhecimento da costa, os marinheiros aportaram a uma baía onde encontraram uma grande colónia destes animais marinhos a que baptizaram de Câmara de Lobos.
A denominação cientifica desta espécie é “monachus monachus”, mas é vulgarmente conhecido por “Lobo Marinho” devido às vocalizações em tom de urro e também por ser um animal carnívoro. A denominação de “Foca Monge”, deve-se às pregas que possui no pescoço, quando está em descanso pois lembra um capucho de monge.

Fotos construção Ms Lobo Marinho: Arquivo revista Cruzeiros/ cedência  Porto Santo Line
C.O.: fotos Carlos Ornelas
Textos: Luís Filipe Jardim/ Carlos Ornelas
Câmara Municipal de Câmara de Lobos
Nota: todas as fotos são ampliáveis, desfrute!

Sem comentários:

Enviar um comentário