31 dezembro 2011

Porto do Funchal (2)

Tudo começa com uma certa dose de loucura.
Estamos compondo ao longo desta semana as várias facetas do porto do Funchal, o local, os navios, as histórias que marcam a singularidade e que atinge o auge com o esplendor de cada passagem de ano.
Não confudam o Luís Jardim, não foi completamente inocente o vídeo que se segue mas precisamos de uma  dose de loucura para a fase 3 da construção do porto do Funchal.

Recordando uma banda antiga das noites da Madeira bela, com actuação mais recente em frente da porta principal da "esquina do mundo", local de encontros de viajantes e encomendas dos paquetes que fundeavam na baía do funchal: Golden Gate Grand Cafe. A decoração do espaço, elegante e requintado, mantém actualmente a inspiração no estilo madeirense do século XIX.
                                                                                                                            
Porque começamos assim? Porque há uma dialéctica de crescimento associada aos mais de 200 anos de turismo na Madeira com clara influência inglesa nos negócios da ilha, nos navios, nos hidro-aviões, nos visitantes, etc. Se por um lado o turismo criou necessidades que o madeirense detectou para melhor servir quem visitava, por outro lado os próprios estrangeiros ao se fixarem na Madeira importavam costumes, soluções e internacionalizavam a economia, tornavam a capital cosmopolita. Esta dinâmica carecia de mais resposta do Funchal, não só nas infraestruturas da rede viária ou hotelaria mas sobretudo nas infraestruturas portuárias. A aspiração por um porto artificial contra as contingências das intempéries, que como já vimos actuaram sobre a própria obra de protecção, era o garante da defesa das embarcações, da estabilização da frequência dos actos de comércio e do turismo contra imponderáveis, potenciação das mais valias da Madeira como a posição geográfica, clima, paisagem e produções.


Retomemos a construção do porto, já aqui abordamos duas situações na baía, a fase 1 e 2 que conferem com o início dos trabalhos para o porto do Funchal (Link) e dos Hidro-aviões (Link). Chegou ao momento da fase 3
                                                                                                                            
Os inertes (areia e pedra) da construção do porto do Funchal foram extraídos da praia Formosa. A estruturas que lhes parece improvisadas eram as condições de trabalho na década de 30 do século passado:
Pormenores: os inertes eram carregados em batelões pela rampa em primeiro plano que depois seguiam por via marítima para a obra; não existe todavia a doca actual; zona da saída do túnel pedonal actual que foi usado como um ninho de metralhadoras por altura da 1ª grande guerra; se ampliar a foto verá que havia muito pó na extracção de inertes, a lente estava bem suja :o)
Primeiros caixões de enchimento da 3º fase (1934-1939 - 3ª fase do porto) já posterior à Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição do Ilhéu, aguardam os batelões com inertes oriundos da praia Formosa.
Estes mesmos batelões faziam transporte de inertes para outra obra, a dos arranjos urbanísticos na actual avenida do mar que foi conquistada à praia. Podemos observar um batelão, o pontão, gruas e vagonetas para o transporte do material. O cais da cidade foi construído anteriormente: 1889-1892.
O Funchal de cara lavada, Pontinha na 3ª fase. Avenida do Mar com arranjos finais e imagem áerea com o estado de crescimento da cidade do Funchal na altura.

(Contínua com a última fase do porto do Funchal)

5 comentários:

  1. Muito boa reportagem! Parabéns!
    Venham de lá mais elementos da riquissimo património histórico cultural :)

    ResponderEliminar
  2. Aguardo pela outra parte desde documentário histórico muito interessante. Parabéns por estas duas partes já publicadas.Este blogue é uma verdadeira surpresa, passa por todas as vertentes...
    Um bom ano 2012

    ResponderEliminar
  3. Agradecidos aos caríssimos anónimos ou anónimas. Este é um dia especial para o cruzeirismo nacional, é sempre neste dia que se reunem mais navios de cruzeiro num porto português. A nossa revista tendo esta temática fará desde dia sempre um dia especial se bem que após o Natal tenhamos vindo a abordar tudo o que rodeia este entusiasmante dia.

    Um bom ano para os caros leitores, agradecidos por comentarem, cumprimentos da equipa de trabalho da revista. Saibam que seguem os vossos comentários.

    Amanhã é dia de entrar muitas vezes no blogue porque vai haver muitos posts.

    ResponderEliminar
  4. Galera muito bom o trabalho neste blog.
    Tô acompanhando. Obrigado!
    Marcio

    ResponderEliminar
  5. Muito boa tarde, venho por este meio informar que solicito a vossa ajuda para um trabalho de história sobre as construções realizadas no período do estado novo na Madeira, em particular o cais da pontinha. Casos tenham alguma informação acerca deste assunto podia a vossa colaboração.
    caso tenha alguma informação relevante deixo o meu email: emannunesfreitas@hotmail.com

    ResponderEliminar