31 janeiro 2012

Assalto ao Santa Maria: 31 Janeiro (12)

A 31 de Janeiro de 1961, é recebido a bordo do Santa Maria o almirante norte-americano Allen Smith para novo encontro com o grupo de rebeldes comandados por Galvão. Os resultados do encontro são inconclusivos, dentro da estratégia de Henrique Galvão em fazer render o tempo até à tomada de posse de Jânio Quadros, numa transição que se efectivaria a 1 de fevereiro. Neste mesmo dia, o Santa Maria recebe a bordo outra visita, um negociador brasileiro enviado pelo futuro presidente, seu nome Dário Castro Alves. A comunicação é algo diferente do que Galvão estava à espera e que tinha sido negociado na Venezuela aquando da planificação do assalto. O enviado de Jânio Quadros ao Santa Maria, informa a Galvão que o presidente não poderia apoiar a sua acção na sequência da tradição diplomática brasileira e à luz do direito internacional no que se refere à continuidade da Operação Dulcineia mas, em contrapartida, concedia o asilo político a todos os rebeldes do grupo se optassem por desistir dos seus propósitos em África. Em segunda opção, Henrique Galvão poderia prosseguir a sua missão mas teria que desembarcar todos os passageiros, ficando o navio por sua conta mas sem qualquer cedência adicional ou fornecimento de ajuda às acções dos revoltosos.

Na imagem da esquerda temos o presidente cessante do do Brasil neste dia há 51 anos, Juscelino Kubitschek de Oliveira. 
À direita Jânio Quadros, o novo presidente que ainda favorável às acções do capitão Henrique Galvão, introduziu uma variante que viria a ditar o terminus do Assalto ao Santa Maria no porto de Santos (Link).


Gravuras do interior do paquete Santa Maria constantes do "caderno de viagem":

2 comentários:

  1. Com jeitinho o Juscelino Kubitschek de Oliveira passava por Humphrey Bogart

    ResponderEliminar
  2. Muito bem visto! Só lhe falta o cigarro.
    Abraço da equipa da revista Cruzeiros.

    ResponderEliminar