03 janeiro 2012

Rotterdam: cidade, porto e navio

Comecemos pela cidade, pelo seu terminal de passageiros, onde fica e o que há por perto. Saibamos porquê ... e acabemos por comprovar que são latinos do norte. Comece a ler e já descodifica, necessita de  tempo!

A cidade dizimada na sua totalidade na segunda guerra mundial renasceu moderna, uma autêntica montanha russa de pontes que se elevam, deslocam ou pura e simplesmente marcam as tendências com a sua arrojada arquitectura. Edifícios estranhos, inovadores e basculantes completam o cardápio de admiração para quem chega por primeira vez. A história da cidade marca a sua população que tem especial atenção no restauro do seu património "resistente". Quem chega ao terminal marítimo de passageiros tem a 2 passos um edifício dos mais emblemáticos na história das companhias de navegação de passageiros, a antiga sede da Holland America Line. Na intervenção efectuada há alguns anos na zona do actual terminal de passageiros de Rotterdam (Wilhelminapier), muitos edifícios altos nasceram mas o actual hotel New York (antiga sede da HAL) é destaque incontornável na cabeceira de um braço de terra criado no rio. O edifício preservou a aparência original, externa e interna. Ao sair do seu cruzeiro vá para o lado oposto ao da emblemática ponte de Erasmus, aqui tem uma ideia do Wilhelminapier, o terminal de passageiros fica entre o edifício "De Rotterdam" e o "Baltimore". Facilmente detectável será a antiga sede da HAL. Sem som:

A capacidade de angariar fundos para a manutenção e restauro de peças de valor histórico não está alheio ao facto de Rotterdam possuir muitas sedes de multinacionais e do facto de ser um grande porto de carga mundial, a porta logística da Europa. Penso que este post dará que pensar sobre o nosso país e a forma como trata as empresas.


Algo visível desde o hotel New York está outra grande recuperação, a do SS Rotterdam, no entanto o itinerário por terra é incomparavelmente maior. Opte pelo rio, por um taxi de rio se desejar dedicar um tempo exclusivo ao SS Rotterdam (Sim!) ou fazer um tour com um "Spido" ou o "Splashtours" para obter uma ideia geral do imenso porto de Rotterdam. O Euromast é paragem obrigatória, onde poderá ver o controle da navegação marítima, é que não faz ideia da quantidade de pontinhos a afunilar para entrar em Rotterdam. Neste tour vai se aperceber da dimensão e do volume de carga transportada até e desde este porto. Existe também muita indústria, alguma dela naval. A produção está no local certo, pronta a seguir viagem. Desde esse tour poderá ver também as sedes de multinacionais como a Unilever detentora de diversas marcas que encontramos nos supermercados e que em alguns casos julgamos serem portuguesas, tema muito actual :o) Mas ... vejamos o "nosso" SS Rotterdam na parte do hotel onde poderá ficar alojado, são "calminhos" :o) à chegada, aumente o volume que já ouve da rua:


Club Room, vai começar a achar que está do lado errado, 1:19 min.:


Os camarotes do hotel, recuperados conforme os originais, 1:18 min:



Apesar das entrevistas ocuparem algum tempo, a trechos dá-nos algumas perspectivas muito bonitas do interior do navio, vale a pena, 2:37 + 2:29 minutos:



Terminemos bem, já tem saudades dos "avariados" que nos recebem à entrada? Cá vai:

Se puder, recomendamos a visita, um excelente restauro para uma segunda vida plena de entusiasmo e utilidade, as duas imagens que se seguem têm mais de 50 anos de diferença, amplie p. f.:





2 comentários:

  1. Como vai sendo habitual outra boa publicação e engraçada. Arrepiei-me a ver nomes de empresas a passar no filme e gostei da recepção do SS Rotterdam, a entrada parece meia vazia mas deve haver uma razão, os artistas enchem as medidas! As pessoas parecem simpáticas.
    Tenho acompanhado o blogue e é a primeira vez que escrevo, parabéns pela alegria e temas com interesse.
    Vasco

    ResponderEliminar
  2. Caro Vasco,

    agradecidos pelo seu reconhecimento e por nos deixar uma mensagem.
    O Hall de entrada do SS Rotterdam costuma muita actividade, circulação de pessoas, daí a amplitude. Costuma existir outras actuações e chegada de grupos com mais de 100 pessoas ... e são simpáticos.
    Aquele abraço da equipa da Cruzeiros.
    Volte sempre e divulgue o nosso blogue.

    ResponderEliminar