23 fevereiro 2012

Ponte do Ms Rotterdam


Reproduzimos em seguida dois filmes sobre uma visita autorizada pela Holland America Line a Marc Weber Tobias da revista Forbes na ponte de comando do Ms Rotterdam e ao Comandante Sybe De Boer. A primeira parte é sobre o funcionamento do navio e da ponte, algo raro na companhia.
A entrevista decorreu quando o Ms Rotterdam navegava próximo da costa dinamarquesa e dá uma perspectiva geral da ponte de comando do navio e do seu comandante. Um navio de cruzeiros da HAL leva a bordo uma série de elementos de várias competências para formar uma equipa que põe o Ms Rotterdam a navegar em segurança e respeitando a legislação. Parece uma frase lógica mas descrevendo vamos observando o alcance.
A bordo seguem engenheiros mecânicos, de construção naval, um físico, equipa de navegação, um elemento ligado à oceanografia, outro à meteorologia, engenheiro de comunicações, um elemento com formação em electrónica, equipa de segurança e combate a incêndios, um jurista formado em direito marítimo e ambiental, etc. Todos sob comando directo do comandante Sybe De Boer. Estes elementos têm por missão operar o navio em segurança e eficiência, este último factor importantíssimo para a competitividade da companhia. Também deste último item se entende o porquê da existência de uma equipa tão diversificada que estuda os itinerários no que diz respeito a vento, ondas, condições climatéricas e o stress que os elementos provocam no navio. Deles depende o conforto dos passageiros e a informação que configura o navio quanto à rota, à velocidade adequada, o uso dos estabilizadores, etc.

Pudemos observar como o navio estava a consumir 70 US Dólares por minuto em combustível em 3 dos 5 motores que se vão alternando em funcionamento. Também observamos como a leitura das cartas de navegação são todavia "analógicas" e permanecerão, apesar de em 2011 ter sido instalado uma solução digital.
Segue-se a entrevista ao comandante Sybe De Boer:

Créditos Finais:
Entrevista e fotografias: Marc Weber Tobias da revista Forbes

3 comentários:

  1. Caro João Rosa, agradecemos o seu comentário. Temos entusiasmo para repetir a ver vamos se as contingências deixam. Já era apertado, então com o Concordia ...
    Um abraço da equipa da Cruzeiros, volte sempre.

    ResponderEliminar
  2. Gostei, parabéns.
    Ricardo Afonso

    ResponderEliminar